Clareamento dentral

Clareamento dental

O desejo por dentes mais claros é uma constante entre os pacientes dentro do consultório e não vem de hoje: há registros de técnicas clareadoras de 1860! E de lá até os anos 1980 vem se buscando maneiras de se atingir um resultado satisfatório e duradouro.

Foi durante essa época de pesquisas e experimentos que, por acidente, descobriu-se o peróxido de carbamida, na época utilizado como antisséptico, que acabava clareando os dentes de quem usava.

A técnica atualmente utilizada profissionalmente foi descrita pela primeira vez em 1989, tendo apenas pequenas alterações com o passar dos anos. Portanto, com quase 30 anos de registros e estudos comprovando sua eficácia, o clareamento profissional, seja caseiro ou de consultório, ainda é o procedimento estético mais seguro, eficaz, duradouro e menos invasivo que existe.

 

Manchas dentais superficiais (extrínsecas)

O escurecimento dental pode ser causado por diferentes fatores. As manchas extrínsecas são aquelas mais superficiais, presentes na superfície do esmalte ou dentina, causada principalmente por: cigarro, vinho, chocolate, refrigerantes e outros alimentos ou bebidas pigmentadas.

Fonte: Acervo próprio

Manchas dentais complexas (intrínsecas)

Este tipo de mancha está diretamente associada à estrutura dental, podendo ter sido incorporado por: hemorragia da polpa, fluorose dental, ingestão de medicamentos ou outro tipo de má formação.

 

Fonte: Acervo próprio

Outros tipos de escurecimento dental

Pouca gente sabe, mas os dentes podem mudar de cor – e não necessariamente por algo de errado que aconteceu ou que a pessoa ingeriu. Pessoas podem nascer com os dentes naturalmente mais amarelados, assim como com o passar da idade os dentes tendem a sofrer um escurecimento normal.

Tratamentos para dentes escurecidos

Como dito anteriormente, as manchas extrínsecas são mais superficiais, tendo assim um tratamento mais facilitado, que condiz com as técnicas que serão citadas a seguir:

  • Clareamento caseiro (domiciliar com moldeiras)

Muito provavelmente a técnica mais comum, bem aceita e segura de todas. Resume-se a utilização de uma moldeira com gel clareador, pelo paciente em sua casa.

As aplicações são diárias, por um tempo e uma concentração indicada pelo profissional responsável. O acompanhamento no consultório é semanal e o tratamento dura em média de 2 a 4 semanas.

Fonte: Acervo próprio
  • Clareamento de consultório (ambulatorial)

Mais procurado e indicado para pessoas que não se adaptam ou não tem disciplina para fazer o tratamento caseiro. A aplicação do clareador é feita apenas uma vez por semana, pelo cirurgião dentista, no consultório.

O material utilizado nesse caso é consideravelmente mais potente que o utilizado na técnica anterior, para compensar o menor número de aplicações: de 2 a 4, igualando o tempo e sem diferença entre resultado comparado com o tratamento caseiro.

Fonte: Acervo próprio

Outras técnicas

Existem outras técnicas e variações dentro das duas citadas anteriormente. Elas vão se adaptar às particularidades que os pacientes podem apresentar, assim como as manchas intrínsecas. 

O uso de laser no clareamento não é indicado, pois não apresenta melhoras significativas no resultado final, e pode causar sensibilidades pelo aumento da temperatura pulpar.

Efeitos adversos

Os grandes medos e mitos que giram em torno do clareamento, são a sensibilidade e o enfraquecimento dos dentes. Isso já foi um grande problema no passado, mas agora são apenas parcialmente verdade.

A sensibilidade hoje no clareamento é facilmente controlada com o uso de dessensibilizantes, pastas para dentes sensíveis, bochecho com flúor entre outras adaptações na técnica. Técnicas simples de controle e que podem ser feitas em casa.

Já o enfraquecimento dos dentes devido ao clareamento é mínimo, sendo indicado ao paciente apenas que evite bebidas e alimentos ácidos, permanecendo apenas durante o clareamento e voltando ao normal logo após o término deste.

 

E os clareadores de farmácia?

Atualmente é frequente vermos opções “milagrosas” sendo compartilhadas nas redes sociais e por artistas na televisão. Porém, é importante ter cautela: a utilização de produtos e técnicas sem comprovação científica e sem acompanhamento profissional, pode ocasionar em danos maiores para saúde bucal.

Pastas clareadoras e técnicas caseiras com carvão ativado, bicarbonato de sódio e outros abrasivos, não promovem um clareamento real nos dentes, apenas uma ilusão de ótica. Eles causam micro-ranhuras na superfície do esmalte, alterando as características de reflexão de luz e dando a sensação de dentes mais brancos. Portanto, o uso indevido destes tratamentos causa perdas significativas de esmalte dental, tendo também resultados não duráveis.

Já os clareamentos caseiros vendidos clandestinamente na internet, com produtos vindos da China, por exemplo, podem causar danos à polpa dental e mucosas bucais. Já tendo sido relatados casos de necrose pulpar, ocasionando tratamento de canal; e mesmo intoxicação por má utilização do produto em dosagens exageradas entregues pelos fabricantes.

Portanto, procure sempre se informar com um profissional da área, que tenha conhecimento técnico sobre o assunto e evite procurar o caminho mais barato e com grandes promessas, pois muitas vezes as perdas são irreparáveis.

 

Referências

MOREIRA, Ariel Bollmann da Costa. MANCHAMENTO DENTAL POR TETRACICLINA: ABORDAGENS PARA TRATAMENTO ESTÉTICO. 2018. 29 f. Monografia (Especialização) - Curso de Dentística e Odontologia Estética, Faculdade São Leopoldo Mandic, Campinas, 2018.
 

SIBILLA, Pietro; COGO, Enrico; TURRINI, Roberto. Momento e manejo clínico das variáeis de clareamento em casos de reabilitação no âmbito estético. The International Journal Of Esthetic Dentistry, São Paulo, p.764-773, out. 2016. Trimestral.
MAGNE, Pascal. Opções de tratamento ultraconservadoras. In: MADNE, Pascal; BELSER, Urs. Restaurações adesivas de porcelana na dentição anterior: uma abordagem biomimética. São Paulo: Quintessence Editora Ltda, 2012. Cap. 3. p. 99-127.